3 de novembro de 2010

Lábios

São lábios, senhora, são lábios
São sábios nacos de carne sua
Fraquejam na hora do beijo
Sobejam-me agora que vejo
Que doces fastios são na verdade

Os meus sentidos frios, o seu coração sem idade,
Peregrinos sombrios da oração crua do corpo
Borboleteando andorinos no torpor salivado dos sonhos,
Nestes sonhos medonhos de vão, orgia e liberdade,

Pelo que quando somos só lábios
Aparecem logo aí umas mil mãos
Todas a levantarem-nos do chão

Nós no ar, nós mais do que a levitar
Nós com tesão numa curva do tempo
O coração ao relento, as pernas ao ar,

Sendo que quando somos só lábios
Desfocamos como se fotografias
Onde detemos pedaços de bons dias
Que é um bom eufemismo para utopias,

Disse-mo um enorme minuto vazio,
Grandíssimo, puto, que gentio de tempo,
Um adágio rômbico de línguas,
Um fio de apetite que se solta
E um gajo que o aguente.

São lábios, senhora, são lábios
São fáceis nacos de carne sua
Fraquejam na hora do beijo
Sobejam-me agora que vejo
Quão doces e frios são na verdade

Pelos meus queridos gentios de emoção, de afinidade
Que meu sombrio coração tem com lábios e com vaidade,
Borboleteando andorinos no torpor salivado dos sonhos,
Nestes sonhos medonhos de vão, orgia e liberdade,

Pelo que quando somos só lábios
Aparecem logo aí umas mil mãos
Todas a levantarem-nos do chão

Nós no ar, nós mais do que a levitar
Nós com tesão numa curva do tempo
O coração ao relento, as pernas ao ar,

Sendo que quando somos só lábios
Desfocamos como se fotografias
Onde detemos pedaços de bons dias
Que é um bom eufemismo para utopias,

Disse-mo um enorme minuto vazio,
Grandíssimo, puto, que gentio de tempo,
Um adágio rômbico de línguas,
Deusas de carne e réguas para sonhos, pá.
Um trapézio de lábios.

4 comentários:

telmo disse...

valeu a pena a espera.

uma interessantíssima poetização do acto de chupar bocas. :)

André Gentil-Homem disse...

A primeira coisa que me veio a ideia foi exactamente o que o Telmo comentou. Consegui sem duvida nenhuma descodificar todos os sentimentos que tinhas quando o escreveste. De facto, acho que foi a primeira vez que li um poema que gostei. Va la finalmente criaste qualquer coisa onde eu me consigo identificar la no meio, foram precisos quase 5 anos para isso acontecer mas finalmente aconteceu.

O Idiota disse...

telmo, não desvendes tão facilmente o que demorou horas a mistificar :) não é por estar bebado e vulneravel que vos adoro. esta é a letra duma musica do meu album, que escrevi a pensar numa semana especial. não é para voces: é para nos :) à vous, mes biches <3

O Idiota disse...

mais ngm percebeu o poema. só voces os dois :)