30 de janeiro de 2011

O mundo antes da Joana Amaral Dias

A minha percepção é profundamente dominada - não: governada - por uma tipologia dicotómica. Isto é, para mim só há dois tipos de coisas no universo: as coisas que me dão tesão e as coisas que não me dão tesão. Vejamos: marmelada com gajas bonitas dá-me tesão; a sonoridade do português falado no Brasil não me dá tesão. Simples. Parece fácil. Ora, claro está, que isto - como tudo na vida, meus amigos, como tudo na vida! - nem sempre é assim tão linear.

Por exemplo: a bela e mui fermosa deputada Ana Drago dá-me um tesão danado: devo ser o único português que se excita a ver a ARtv. Mas acontece que é uma senhora de esquerda, e ser de esquerda pertence ao grupo das coisas que não me dão tesão. Por outro lado, ouvir o deputado Nuno Melo a falar já é coisa que me entesoa sobremaneira, porquanto é a melhor oposição personificada que, portugueses, temos disponível. O gajo é o Roosevelt do CDS, pá. Mas depois, lá está, é homem - coisa que não me dá lá grande tesão, arriscando o eufemismo.

Agora o que acontece é o seguinte: se estás a pensar que ficar de pau feito por ouvir o Nuno Melo a falar é efeminado, desengana-te. Em primeiro lugar, o Nuno Melo é do CDS - o que é d'homem. Depois, o pau faz-se meramente pelo conteúdo atraente das suas palavras. Não há aqui qualquer comportamento gay. E mesmo que houvesse algum fundamento maricas nesse tesão, as suas aplicações práticas nunca deixariam de ser estritamente heterossexuais. Na verdade, a homossexualidade pertence ao grupo de coisas que não me dão tesão. Será portanto erróneo achares isso, amigo, e também o indício de um raciocínio deficiente se em algum momento foi essa a tua opinião. O rei vai nu.

Pois agora nada melhor para consagrar a masculinidade de tudo que aqui foi dito do que este parágrafo tão viril que se segue, este desenlace de tão baixo nível mas com tão altos níveis de testosterona. Perdoem-me, mas é Primavera. E uma vez que provavelmente já começas a exigir uma explicação para o meu binómio existencial não ser assim tão bifurcadamente linear quanto isso, amigo, aqui vai: o problema é que - sendo a percepção governada por esta dicotomia tipológica - não se pode esperar demasiado das coisas. Não digas já "Ei que conclusão estúpida", amigo. Lembra-te primeiro que é atroz e desumano ter que aceitar que, quando uma coisa entesoa, há sempre uma outra que nos vai vilipendiar o tesão - como por exemplo homens, ou ser de esquerda.

E isto acontece porque, algum tempo depois de nos apercebermos da situação, não conseguimos deixar de pensar o quão perfeito seria se pudéssemos fundir o espírito jovem embora conservador do deputado Nuno Melo com a sublime linguagem corporal da deputada Ana Drago: eis Deus. Isto é só um exemplo, atenção, não estou a dizer que me masturbo a pensar nisso, até porque me masturbo a pensar nisso. A questão é a de tirarmos conclusões de tudo isto; reflectirmos sobre estas evidências com o nosso espírito crítico de domingo, para que os últimos aforismos se formem; e o axioma é, pois claro, que não há um tesão perfeito; nenhuma erecção dura para sempre. Consegues imaginar algo mais violento?

Pensa só nisto: é este o tipo de violência que, por diversas vezes e de diversas maneiras, funciona como alicerce do mais derradeiro amor, como por exemplo acontece em Romeu e Julieta, quando ela lhe come a cara e os genitais, e fica toda suja com o sangue dele, momentos antes de ser alvejada pela polícia judiciária numa estrada nacional. Mas isso já é outra história.

Ah, e a Joana Amaral Dias. Adoro-a.

1 comentário:

O Idiota disse...

PS - Para si, querido leitor, pode ainda ser Inverno, mas eu sou um gajo muito à frente.